Palavras novas I

Singalongar – O acto de cantar, enquanto espectador, ao som da música que se esta a ouvir.
Exemplo prático : ‘Eu singalonguei quando a banda tocou Bon Jovi’

Central Park

O Central Park é unanimemente considerado das melhores coisas de New York e eu não vou, de maneira nenhuma, discordar. Numa tarde de sol é um sítio óptimo para descontrair, ouvir músicos a tocar, ver gajas de bikini (vamos ver quantos milhões de pessoas vão aqui chegar por procurar por “gajas de bikini” no guguele…).

Fico dividido ao querer comparar este com o ligeiramente maior Golden Gate Park de San Francisco, mas, ao contrário da comparação entre as duas cidades, em que ainda não me consegui decidir, prefiro o Central Park.

“Porquê?”, perguntam os dois leitores regulares do meu blogo (o meu olho esquerdo e o direito).

É simples: no GG, o que está à volta não interessa. anda-se uns metros para o interior do parque e podia se estar em qualquer outra cidade. No CP não são muitos os sítios em que os arranha-céus no horizonte  não se vêm e esse contraste consegue ser fantástico e muito fotogénico.

Ficam uns exemplos da fotogenia do Central Park e de outras partes de NY (fotos tiradas por mim na esmagadora maioria), no video seguinte.

Ella Fitzgerald – “Summertime” (TV Special 1968)



Ainda não é Verão, mas, em South Beach, é como se fosse sempre Verão…

Viva Mexico!!!

Leiam em voz alta, se não for óbvio!

É humor infantil, e então? 🙂

Lindo

Law & Order

Aposto que, em NY, entre as três séries Law & Order se consegue ver televisão sem parar durante um dia inteiro, só a mudar de canal…

Fox “News”

Embora venha do único país do mundo em que os noticiários duram hora-e-meia (ok, pode haver mais, mas acho difícil!!), com enchimento de chouriços até ao último grau, onde tudo é noticia, consegui ontem ficar surpreendido com o nível de imbecilidade a que alguns “jornalistas” conseguem chegar.

No noticiário da FOX, mãe do canal mais absolutamente abominável do mundo, FOX News, trasmitiram ontem uma reportagem de profunda investigação, merecedora do Pulitzer de “maior merda pegada de reportagem feita por um ‘repórter’ que devia ser enviado para o fundo mar com pantufas de cimento”. Foram quase 7 minutos, que ilustraram uma reportagem de meses, sobre um homem velhote que rouba flores de campas no estado de NY, para as vender numa esquina, junto a um dos cemitérios. Esta coisa deu durante o primetime e envolveu uma investigação de mais de um mês.

Vejam com os vossos próprios olhos a coragem de um repórter calejado, que não hesita na busca da verdade (por muito banal e desinteressante que a verdade seja…):

http://www.myfoxny.com/dpp/news/shame/090519_Cemetery_Flower_Seller#

Ai ai, ai ai, ai, ai, Puerto Rico

Foram dois diazitos passados em Puerto Rico, sem tempo de desfrutar das Caraíbas, mas com ocasiao para comer um belo filet mignon e aprender algumas coisas sobre como se trabalha por aquelas bandas (para além do que fiz em termos de trabalho, que não é para aqui chamado…)

Nunca tinha estado nos trópicos e o primeiro choque foi, como diria a lenda-viva Gabriel Alves, a humidade muito acima dos 100%!

Foi ao ponto de a chuva não fazer diferença nenhuma e quase não se conseguir respirar!

Na manhã de saída do hotel deixaram a factura num envelope aberto a minha porta; é claro que, quando peguei nele já estava todo colado, com a humidade

No escritório, pelo contrário, ninguém sobrevivia sem casaco: na empresa ao lado, uma senhora que passa pela menopausa não permite que se suba a temperatura objecta a que se mexa no termóstato e toda a gente prefere passar frio a que ela lhes arranque a cabeça à estalada.

No hotel, Caribe Hilton, havia praia privativa, várias piscinas e jacuzzi. Uma secção no jardim cheia de camas de rede enormes deixou-me com apetite para a próxima visita! A modesta cama dava para dormir atravessado e tinha apenas 6 almofadas (mais 4 no armário, não fosse eu sentir-me desalmofadado).

Mesmo sendo bastante cortineiro, dormi de cortinas abertas, já que a janela dava para o mar…

SI850421

San Juan, I’ll be back!